segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A dor que mais dói


Unha encravada. Existe coisa que dói mais? Fala sério, leitor. Você pisa no chão, coloca um sapato, um tênis e aquele pedaço de unha entranhado na sua carne tá lá te incomodando. Dá vontade de abrir um buraco no dedo e arrancá-la com a primeira coisa que se vê pela frente, dá vontade de meter um alicate e estrangular a unha, o dedo, o pé, o que tiver no caminho! O pior é que existe, existe coisa que dói mais sim. Chegar em casa e não ver que ela está lá no quarto estudando, e mesmo que se você estivesse na sala assistindo ao jogo, você saberia que ela está ali e isso te aliviaria. Sair de casa sem ter de quem se despedir com um beijo. Voltar pra casa e ninguém perguntar por onde você andou até aquela hora. Não ter aquele perfume, aquela calcinha pendurada no Box do banheiro. Não ter ninguém enchendo o saco pra você levantar o assento do vaso sanitário e tampar a pasta de dentes. Não ter ninguém pra implicar e sacanear no jogo de futebol do time dela, que por sinal, está um lixo. Não ter ninguém pra dividir a limpeza da cozinha, depois do almoço de domingo. Não ter companhia pra um cinema. Não ter com quem fazer guerrinha de travesseiro. Não ter, não ter, não ter. Eu não acredito em dor maior. Quando a gente tem saudade, a gente não tem mais nada mesmo.
-Inspirada no texto "Saudade", de Miguel Falabella

2 comentários:

  1. Oi moça, passa lá no meu blog. Tem uma surpresinha para você!
    ps: Adorei o texto.

    katerineknust.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus! Que fase, hein? Muito bom o texto, porém, me bateu uma tristeza profunda aqui tbm... é mesmo difícil esquecer quem amamos. Boa sorte aí! Beijo.

    ResponderExcluir